Farmácia Agafarma. Sinta-se bem, sinta-se em casa

Destaques

Motivos para não dar refrigerante para o seu filho

 Os refrigerantes são bebidas artificiais ricas em açúcar, corantes e sódio, sem valor nutricional, que devem ser evitados especialmente pelas crianças porque elas estão em fase de crescimento e necessitam de uma alimentação rica em vitaminas e minerais, presente, por exemplo, nos sucos de frutas.

 Os refrigerantes podem causar obesidade infantil porque têm muitas calorias e açúcares que favorecem o acúmulo de gorduras no corpo e o aumento de peso. Uma lata de refrigerante tem cerca de 139 calorias e 35 g de açúcar, o que corresponde a 5 pacotes de açúcar, um exagero para as crianças.

 Os 5 motivos para não dar refrigerante para o seu filho podem ser:

 → Estragar os dentes e aumentar o risco de cáries porque tem muito açúcar;

 → Aumentar o risco de desenvolver diabetes e obesidade porque tem calorias e açúcares;

 → Aumentar a flatulência e desconforto abdominal por ter gases;

 → Provocar insônia quando tem cafeína, como os refrigerantes como coca-cola, pepsi, guaraná e chá gelados, como ice tea;

 → Aumentar o cansaço e a irritabilidade por ter substâncias químicas, como corantes e adoçantes, que impedem a correta absorção das vitaminas e minerais.

Como substituir os refrigerantes

 Para substituir os refrigerantes pode-se oferecer a criança água com um pouquinho de limão, chá gelado, água de coco e sucos de frutas. A melhor estratégia é não ter refrigerantes em casa, nem pedir refrigerante quando for comer fora.

 Quando a criança diz que não gosta de suco de fruta, os pais podem tornar a apresentação do suco mais interessante colocando um canudinho colorido, pedacinhos de frutas congeladas e inicialmente adicionar açúcar e ir diminuindo sua quantidade aos poucos.

Os sabores que as crianças mais gostam, geralmente, são os sucos de laranja, manga e de morango, mas não existem restrições e pode-se inclusive misturar sabores. O suco de laranja com manga, por exemplo, é delicioso e cheio de vitaminas. Fonte: www.tuasaude.com